O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) assinaram nesta quinta-feira contrato de empréstimo de longo prazo de US$ 1 bilhão para financiamento de micro, pequenas e médias empresas brasileiras. O contrato representa a terceira tranche de acordo fechado em 2004, que previa o desembolso em três parcelas, do total de US$ 3 bilhões pelo BID, com contrapartida de igual valor do banco de fomento nacional. No total, o acordo fechado hoje representa a disponibilidade de US$ 2 bilhões para financiamento de companhias de menor porte.

O representante do BID no Brasil, Jose Luis Lupo, planeja aprovar ainda este ano, no âmbito da instituição multilateral, a renovação do acordo com o BNDES, para o desembolso de mais US$ 3 bilhões, com contrapartida de igual valor do banco brasileiro, nos próximos anos.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, afirmou que, depois de aprovada no âmbito do BID, a renovação do acordo – chamado de Convênio de Linha de Crédito Condicional, ou CCLIP – ainda depende de um longo trâmite no Brasil, como a apresentação de garantias, as tratativas entre as duas instituições e a aprovação do Senado, o que poderia levar o fechamento da renovação para 2010.

O contrato assinado hoje tem prazo de vencimento de 20 anos, com quatro anos de carência. De acordo com o BNDES, cerca de 25 mil empresas podem ser beneficiadas pelos recursos garantidos na terceira tranche do acordo, que pode contar com a participação de mais de 80 bancos do sistema financeiro nacional.

Coutinho ressaltou que no ano passado o BNDES financiou as micro, pequenas e médias empresas com R$ 9 bilhões. Embora não faça projeções para 2009, Coutinho afirmou que a expectativa é de crescimento.

“É difícil dizer um percentual (de avanço). Gostaríamos de crescer pelo menos 10% este ano”, disse Coutinho.

Já o representante do BID no Brasil destacou que o país é um dos mais bem preparados no continente sul-americano para enfrentar a atual crise internacional e frisou que o aporte de recursos para pequenas empresas tem recursos mais nítidos sobre a geração de empregos.