Com a nova lei de terceirização, lei 13.429/2017, abre-se o leque de contratações por parte das empresas. Neste contexto, as cooperativas de trabalho poderão ser alternativa para atendimento de demandas sazonais ou regulares de serviços.

Não deve ser retido qualquer parcela de contribuição previdenciária sobre tais contratações, haja visto que em 23/04/2014 o plenário do supremo tribunal federal (STF), por unanimidade, deu provimento ao recurso e declarou a inconstitucionalidade de dispositivo da lei 8.212/1991 (artigo 22, incisivo IV) que prevê contribuição previdenciária de 15% incidente sobre o valor de serviços prestados por meio de cooperativas de trabalho.

O senado federal, através da resolução SF 10/2016, suspendeu em definitivo a cobrança previdenciária de 15% sobre o valor bruto da nota fiscal, relativamente aos serviços prestados por cooperativas de trabalho.

Fonte: Revista BUSINESS – Junho/2018